Knock Out

Cavaco Silva puxa a mulher por um braço: «Esta é a minha senhora. Esta senhora trabalhou praticamente a vida toda.» Maria de Fátima contrapõe, com voz sumida: «Também eu…» O candidato nem a ouve. Tem uma arenga para despachar, não pode perder a oportunidade: «Sabe qual é a reforma dela? Não chega a 800 euros por mês. Foi professora em Moçambique, em Portugal, mas ainda ninguém descobriu, em Portugal, a reforma da minha mulher. Portanto depende de mim, tenho de trabalhar para ela. Mas como ela está sempre ao meu lado e não atrás, merece a minha ajuda.»

No Vida Breve, o blog que geralmente descobre estas pérolas.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

5 respostas a Knock Out

  1. 800 euros de reforma? É mau? Era pior se tivesse de 300, 400 ou pensões de 250 euros como muitos idosos em Portugal tem. 800 euros é um valor que muitos recém-licenciados não tem em Portugal. E isso é um facto.

  2. Este diz:

    Tadita! Se ela tivesse que fazer 160 km de estrada por dia, atropelar um cão que lhe partisse o carro todo, como me aconteceu a mim hoje, não lhe chegavam os 800 euritos para nada. Pobrezinha. Estou cheia de pena dela e mais agora com as dificuldades que temos que aguentar TODOS!

  3. José Maria Pimentel diz:

    A ideia é ter trabalhado o suficiente e em funções suficientemente qualificadas para receber bem mais. Também não exageremos, João Branco. Ou toda a gente q n ganhe uma miséria n tem o direito de protestar?

  4. Tem. Qualquer indivíduo que se sinta lesado pela Segurança Social, tem por lei direito a protestar.
    Mudem então o actual sistema de cálculo das reformas e pensões em Portugal. Neste caso em concreto, 800 euros não são uma má reforma. Mantenho a minha posição tomando em conta a média das reformas e pensões no nosso país e se quisermos introduzir um novo dado, o próprio salário médio dos trabalhadores em Portugal.

  5. João Torgal diz:

    “A ideia é ter trabalhado o suficiente e em funções suficientemente qualificadas para receber bem mais. ”

    Uma comunicação social interventiva e com meios teria explorado esta situação, descoberto uma nova “inverdade” do “reles professor” Aníbal Silva nesta situação (seguramente que não trabalhou a vida toda, com todos os afazeres de primeira dama e derivados que a Maria tanto valoriza) e pressionado a candidato a informar as pessoas (algo que nunca se dá ao trabalho de fazer, podendo rejeitar entrevistas com todo o descaramento, sem ser penalizado por isso).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s