(Mestres) Paredes e afins reinventados

Cordis – Cordis

 


Combinando o piano de Paulo Figueiredo e a guitarra portuguesa de Bruno Costa, os Cordis acabam de lançar este seu disco homónimo de estreia. Este projecto de Coimbra interpreta essencialmente temas do extraordinário legado de Artur e Carlos Paredes, dando-lhes novas roupagens. Com arranjos particularmente requintados, contribuindo naturalmente para isso o som muito bonito do piano, e com esse extraordinário instrumento que é a guitarra portuguesa, o produto final é genericamente bastante bom (destaque para as óptimas interpretações de “Sede e Morte”, “Canto de Amanhecer” e “António Marinheiro” de Carlos Paredes).

 

Para além do património Paredes, os Cordis prestam ainda homenagem a outras duas grandes referências pessoais: António Portugal, através da revisão de “Valsa por um tempo que passa”, e Jorge Gomes, de quem interpretam “Maio de 78”. No que se refere a temas originais, há apenas um, residindo uma das grandes surpresas do disco. Pelo facto de existir um só original, “Caminhos (percurso de vida)” podia ser apenas uma forma de timidamente os Cordis darem a conhecer a música por si composta (neste caso elaborada pelo guitarrista Bruno Costa). No entanto, é muito mais que isso. O tema é de tal forma bom, a combinação do piano e da guitarra é de tal modo perfeita, que não sobressai negativamente no contexto do disco, ou seja, parece que estamos a ouvir mais uma adaptação de um brilhante tema de um dos membros destacados da família Paredes, o que demonstra a enorme qualidade da faixa e nos faz ter pena que este breve momento de novidade musical não se estenda a outros espaços do disco. Em todo o caso, que a música que aqui temos se escuta sempre com um enorme prazer, isso é algo absolutamente inquestionável.

 

 

P.S. Os Cordis apresentaram este disco no Pavilhão Centro de Portugal no dia 12 de Setembro, num concerto marcado pela presença de diversos convidados e do qual podem saber mais no próximo número da revista MACA (Magazine de Arte de Coimbra e afins)  

 

(texto inicialmente publicado em www.artesanatosonororuc.blogspot.com)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a (Mestres) Paredes e afins reinventados

  1. Tiago Fernandes diz:

    Carlos Paredes é um nome enorme da música portuguesa. O legado que deixou é tão importante que não dá mesmo para traduzir em palavras. Resta naturalmente ouvir a sua música. A guitarra deste senhor fala e é uma guitarra com génio. Há uns dias, tropecei num trabalho interessante sobre Paredes. Fica a sugestão:
    http://cotonete.clix.pt/quiosque/especiais/carlosparedes/index.asp

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s