Flash Super Bock Super Rock 2010

Naquele que foi talvez o festival de Verão português com o melhor cartaz, eis alguns comentários breves sobre os concertos que vi:

Beach House – Com um óptimo disco em carteira, Teen Dream de 2010, e com o lusco-fusco a criar, no caso, a atmosfera perfeita, os Beach House mostraram que ao vivo a sua música cresce muito em intensidade. Final mágico com uma interpretação cheia de garra do quase shoegaze “10 Mile Stereo”. ****

Grizzly Bear – Sendo das melhores bandas da actualidade, dificilmente o concerto poderia ser mau. Mas com a ausência de grandes temas como “Colorado” ou aquela incrível versão acústica de “All We Ask” e sem uma comunhão com o público tão vincada, esteve uns furos abaixo do concerto de Maio no Coliseu. ***

Pet Shop Boys – Electro-pop mais que duvidoso, desfile imparável de êxitos (“Go West”, “Always on my mind” ou “It’s a Sin), estética visual e decorativa ultra-parola. Kitch, kitch, kitch… mas isso num festival até tem algo de bom. **

Julian Casablancas – Com um disco a solo marcado por uma inclusão de elementos electrónicos questionáveis, a expectativa não era alta. Quando, num espectáculo com apenas 40 minutos sem grande chama (a indisposição do músico também não ajudou), os melhores momentos foram “Hard do Explain” e “Automatic Stop”… dos Strokes, acho que fica tudo dito. *

Hot Chip – Embora com nervo, a electro-pop dos britânicos Hot Chip não me convence particularmente em estúdio. Mas ao vivo foram para mim a surpresa do festival, com o impacto da música a ser bem maior. Empolgaram, mostraram sentido enorme de espectáculo e puseram meio mundo a dançar. Seguramente um dos grandes concertos do SBSR 2010. *****

Vampire Weekend – Dois anos depois da apoteótica prestação no Alive, os Vampire Weekend regressam a um país autenticamente rendido a seus pés. Com um alinhamento dividido entre o disco homónimo e o mais recente Contra (mais eclético e menos imediato, mas que acaba por se entranhar pouco a pouco), os nova-iorquinos deram novamente um concerto magnífico, irresistível e inebriante do início ao fim. *****

Spoon – Depois de Paredes de Coura 2007, os Spoon voltaram a tocar ao final da tarde e voltaram merecer o prémio injustiça do festival. É que canções como “Don’t Make Me a Target” ou “Written in Reverse”, o imenso groove da banda de Austin, o carisma de Britt Daniel ou a sua importante e já longa carreira, merecem um outro ambiente e um público bem mais numeroso. ***

National – Apesar de se perceber facilmente que o ambiente de festival está longe de ser ideal para a música dos National, (pede um espaço mais recatado), o facto de Matt Berninger se apresentar com uma maior sobriedade contribuiu para um concerto melhor do que no Alive 2008. Até porque, entre a candura e raiva, a emotividade interpretativa de temas como “Mr. November”, “Fake Empire” ou “Terrible Love” foi inequívoca. ***

Prince – Por ser um verdadeiro ícone histórico, daqueles que é verdadeiro currículo vê-lo ao vivo enquanto se pode (como os Beatles, os Rolling Stones, Madonna, Michael Jackson ou Metallica),  era para muitos o nome mais aguardado do festival. Quer nos momentos mais pausados (como “Nothing Compares 2 You” ou na estranha participação de Ana Moura), quer nas verdadeiras injecções de adrenalina (“Kiss” ou “1999″), Prince mostrou ser um verdadeiro animal de palco, pelo que as expectativas foram francamente confirmadas ****

(tive pena de não ver St. Vincent e Sharon Jones e devia ter visto Ricardo Villalobos)

No entanto, é completamente impossível falar da edição 2010 do Super Bock Super Rock sem referir as suas deploráveis condições logísticas. Desde o miserável campismo (já habitual neste tipo de festivais, mas desta vez ainda mais miserável) até às horríveis acessibilidades de trânsito (com filas de horas e horas na saída do festival e no seu acesso – confesso que não percebo como é que pessoas com bilhete para o último dia e que acabaram por não conseguir ir ou por perder parte dos concertos, não pediram no mínimo a devolução do preço do bilhete), passando pelo imenso pó do recinto, ao défice nas entradas (1 ou 2 entradas num festival em que se aguardavam mais de 20000 pessoas??!!), à publicidade enganosa quanto à localização do festival na Praia do Meco (num descampado algures no meio da estrada e a uns 15km da praia,  isso sim) e ao profundo desprezo com que, pelos vistos, trataram a Comunicação Social (um nº de acreditações reduzido ou inexistente para muitos dos órgãos), a Música no Coração só pode merecer uma veemente censura. Esperamos que para o ano a promotora corrija o que correu mal, sob pena de ver reduzido o nº de presenças no festival. É que, nos vários conceitos e estilos musicais, o que não faltam aí são festivais com um bom cartaz…

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s