A Guerra do Iraque no cinema

É para mim um dado mais ou menos incontornável que um grande filme de guerra é aquele que é muito mais do que um acumulado de cenas de acção e do que a descrição pormenorizada do campo de batalha e das respectivas estratégias militares envolvidas. É aquele que analisa de modo suficientemente complexo o conflito entre as partes envolvidas ou ainda mais aquele que problemtiza a guerra enquanto conceito genérico, do ponto de vista existencialista, ao nível da sua dimensão humana. Foi assim em Apocalypse Now de Francis Ford Coppolla, Platoon de Martin Scorsese (ambos a propósito da Guerra do Vietname), Barreira Invisível de Terence Malick (2ª Guerra Mundial, imperdoavelmente ainda não vi a bilogia de Clint Eastwood: Bandeiras dos Nossos Pais e Cartas de Iwo Jima) ou Peões em Jogo de Robert Redford (Afeganistão). Era com a expectativa que pudessemos estar perante mais uma obra-prima do género que comecei a ver Estado de Guerra, filme recentemente galardoado com os principais óscares da academia. Expectativas goradas.

 “A adrenalina do combate é, muitas vezes, um vício poderoso e letal, como tal, a guerra é uma droga” é a frase que abre a película e prenuncia uma reflexão interessante. Puro equívoco ou, pelo menos, uma ideia concretizada de modo bem simplista. O filme aborda uma espécie de brigada de “Minas e Armadilhas” do Exército Americano, responsável por missões de desactivação de bombas e outros engenhos explosivos no Iraque, explorando abundantemente a sua actividade no terreno e a exposição do cenário de guerra. As cenas estão genericamente bem construídas, a realização de Kathryn Bigelow (a primeira mulher a ganhar o óscar de realização, pena que isso não tenha acontecido com Virgens Suicidas de Sofia Copolla) é realmente nota de elogio (pela preocupação com os pormenores e  pela condução de câmara que contribui para que nos consigamos transportar por instantes para o inferno da guerra), mas ficamos sempre à espera de algo que nos envolva, que nos agarre sem reservas ao filme, o que nunca acontece, contribuindo para que, sem um enquadramento mais forte, as próprias cenas de acção percam intensidade. O argumento é de tal forma pobre que, mesmo nos raros momentos em que há um esforço de problematizar algo e de introduzir uma maior complexidade à trama, como sucede com as cenas com o miúdo que vende DVD’s e no diálogo na parte final entre Will e Sanborn, estas surgem rechedas de lugares comuns, sem grande chama emocional. O epílogo interessante, com enquadramento com a frase inicial, contriubui um pouco para melhorar a impressão do filme, mas não o suficiente para afastar o cenário de desilusão. Até porque, no contexto da Guerra do Iraque, já se fez bem melhor…

É o caso de No Vale de Elah de Paul Haggis (Colisão)Censurado de Brian de Palma, ambos de 2007. São filmes muito diferentes. O primeiro fala sobre o desaparecimento misterioso de um soldado no seu regresso do Iraque e a busca incansável dos seus pais na busca da verdade escondida. O segundo é quase um documentário, obra baseada em factos verídicos que acompanha um batalhão no Iraque, centrando-se num episódio em que um conjunto de soldados americanos chacina gratuitamente um conjunto de civis iraquianos. No vale de Elah é particularmente eficaz e interessante na forma como explora o sentimento de perda, tendo ainda como méritos importantes a óptima interpretação de Tommy Lee Jones e um final arrebatador, climax de desespero, revolta e desilusão contra um sistema perverso e malévolo (e não demonstração de anti-americanismo primário, como alguns falsamente apelidaram). Censurado explicita de forma crua os atropelos e violações de direitos humanos cometidos pelas forças invasoras, ao mesmo tempo que, de forma inteligente, põe a nu o impacto psicológico provocado pela guerra e pela realidade envolvente nos soldados com um maior sentido de responsabilidade e o sofrimento provocado aos civis iraquianos por esta escandalosa ofensiva armada. É bom que assim seja, porque o realce é por norma para os soldados da coligação ocidental e estes, embora condicionados, enganados e ludibriados pelas campanhas de propaganda ao recrutamento (embora de forma panfletária, o que Michael Moore expõe em Fahrenheit 9/11 terá um grande fundo de verdade), estão lá de modo voluntário (ao contrário do que sucedeu, por exemplo, na Guerra do Vietname). Enquanto isso, população iraquiana não teve escolha, foi forçada a encarar de frente esta invasão,  ainda para mais quando esta foi justificada com base numa mentira (as não provadas armas de destruição maciça) e num pretenso objectivo de libertação de um povo, algo que, de modo cínico,  a política externa americana usa abundantemente para legitimar diversas missões militares (Chile, Coreia, Vietname ou Afeganistão são alguns exemplos), quando os verdadeiros objectivos são de natureza geopolítica e económica. A propósito da questão da informação falaciosa, os dois filmes são também muito interessantes na forma como expõem a manipulação de factos e a adulteração propositada da verdade, em que o jornalismo propagandista e desprovido de objectividade é apenas uma das peças. Concluindo, não sendo obras-primas, são ambos bem mais complexos, apelativos e cativantes que Estado de Guerra, quer como retrato da guerra do Iraque, quer como  filme de guerra genérico, em temos do seu lado mais psicológico e das reflexões que nos incute.

É bom, aliás, que se continue a fazer cinema sobre este episódio negro da história, para que não fique esquecido e não seja historicamente falseado um dos maiores actos de terrorismo organizado à escala mundial (sim, porque a invasão do Iraque foi um acto de puro terrorismo, sem qualquer legitimação internacional) e que vitimou milhares e milhares de civis iraquianos (com base nas estimativas ultra-tendenciosas da Administração Bush, cerca de 10 vezes mais vítimas do que no atentado do 11 de Setembro de 2001, só para se ter uma ideia).

Para o fim, porque nem só de longas-metragens vive a exploração visual da Guerra do Iraque, eis a forma de aproveitar o lado profundamente cinematográfico do post-rock para fazer um notável e intenso video-clip sobre esta temática, em “All is Violent, All is Bright”, tema de 2004 (um ano após o início da guerra) dos irlandeses God is an Astronaut:

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a A Guerra do Iraque no cinema

  1. Pingback: “O Escritor Fantasma” – a importância dos detalhes | A Mesa de Café

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s