Se um dia ganhar um Nobel…

…também farei coisas destas.

 

Costumo dizer que Saramago tem um privilégio quase ímpar em Portugal, o de ser inimputável. Pode dizer o que quiser, fazer o que quiser, pois está lá tão em cima que ninguém se atreve a imputá-lo. Atrevia. A verdade é que tenho que rever este conceito. Rever, mas pouco, Saramago é imputável, vê-se agora, mas é imputável da maneira mais branda que jamais se viu. Fosse outro a proferir aquelas provocações e toda a opinião pública, já para não falar na Igreja, mostraria as garras em oposição feroz. Como é Saramago (e, mais ainda, um Saramago ancião), os teólogos e padres prontificam-se a debater calmamente com o escritor, indo até, como fez Carreira das Neves, salvo erro, mais longe, desculpando-o e comparando-o, nas suas divagações, a um “gato-fedorento” (acho que era um elogio, mas também pode dar-se o caso de a expressão ter sido pensada no sentido literal!). Parece quase que os papéis se invertem.

A pena é que tudo isto até poderia ter dado uma discussão engraçada e instrutiva, mas nem o próprio ‘Sir Amago‘ parece estar para isso. Acho que o homem só queria mesmo aquilo, mandar a laraxa.

P.S. Adorei aquela de que ele fez isto para vender mais livros. Está-se mesmo a ver. Um homem de oitenta e tal anos, no fim da vida, e que já vende livros como pãezinhos quentes…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s