Festival Tom de Festa

NOTA INICIAL: Este texto resulta do acompanhamento que fiz no Tom de Festa em representação da equipa do Artesanato Sonoro, programa de músicas do Mundo da Rádio Universidade de Coimbra (RUC) Para mais informações sobre os festivais de world e outros eventos do género, alinhamentos do programa e podcasts, consultar http://www.artesanatosonororuc.blogspot.com

Já na sua 19ª edição, o Tom de Festa é uma organização do ACERT que se assume como um dos mais antigos Festivais de Músicas do Mundo do país. Realizando-se de 14 a 18 de Julho, a edição de 2009 contou com nomes como Júlio Pereira, Bassekou Kouyaté, Chico César ou Dabet Gnahoré. Parelelamente, decorreram durante os dias do festival manifestações artísticas diversas, do cinema às performances de rua, da literatura ao artesanato.

Em representação da equipa do Artesanato Sonoro, estive presente no 4º dia do festival. Com o habitual ambiente acolhedor e familiar, com abrangência para todas as idades e diferentes tipos de público, este dia 4 (6ª feira, 17 de Julho) contou em termos musicais com um nome incontornável da música portuguesa, Júlio Pereira (que ao final da tarde tinha estado na apresentação de um curioso mapa etno-musical português), e dois projectos africanos bastante diferentes, Bassekou Kouyaté & Ngoni Ba e Kasai Masai. Seguem-se as críticas a estes 3 concertos:

Júlio Pereira


Nunca é demais dizer que Júlio Pereira é um brilhante multi-instrumentista. É daqueles músicos para quem o bandolim (e o cavaquinho e a braguesa e…) parecem verdadeiras extensões do seu corpo, tal a cumplicidade existente entre homem e instrumento. Essa é a premissa essencial de cada concerto do músico (juntamente com o humor sarcástico e a interacção com o público, sempre presentes) e comprova-se na apresentação ao vivo dos temas do último disco, Geografias de 2007, um passo em frente rumo à universalidade da música de Júlio Pereira, com passagens por África e pelo Oriente. Pelo caminho, as versões de temas do Zeca Afonso (“Nefretite não tinha papeira”, “Senhor Arcanjo” e “O Meu Primo Convexo”, com Rolling Stones pelo meio) soam um pouco a passo em falso. Isto porque os arranjos em toadas quase jazzísticas são um pouco discutíveis e porque nesses temas a voz de Sofia Vitória é afinada e melodiosa, mas falta-lhe um rasgo de alma que leve as músicas para outros patamares de excelência. Ao invés, a interpretação do lindíssimo tradicional transmontano “Molinera” surge com uma importante força rítmica, mas preserva todo o seu sentido emocional e desarmante, antecipando um encore celebratório com “Celtibera”, a encerrar a portugalidade deste dia do festival.

Bassekou Kouyate & Ngoni Ba


Todos aqueles que têm acompanhado nos últimos tempos as músicas do Mundo, se têm apercebido minimamente da diversidade, qualidade e riqueza musicais que nos tem chegado do Mali. Bassekou Kouyate é mais um óptimo exemplo dessa realidade e, depois de colaborar com nomes fortíssimos como Ali Farka Toure, Toumani Diabate e Youssou n’Dour, lançou em 2007 o aclamado e premiado disco “Segu Blue”. Foi este disco que serviu de base ao concerto, um verdadeiro misto de espiritualidade e festa africanas, na proporção perfeita. Com os seus companheiros Ngnoni Ba (um quarteto de ngoni) e com a ajuda da sua esposa Amy Sacko, Bassekou mostrou todo o poder que o ngoni (um maravilhoso instrumento de cordas africano) e a percussão africana podem ter quando transpostos para o palco. Para além disso, o músico maliano sabe interagir com o público, incentivando-o a acompanhar corporalmente a parte sonora ou dedicando um tema infantil a uma criança que foi dançar para o palco, tudo em doses certas, sem prejudicar o essencial: a qualidade arrebatadora da música. Para o final, um encore irresistível, que pôs muitos, mas muitos, a dançar à frente do palco de modo frenético, rendidos à magia da música africana. Em suma, um dos grandes concertos em solo luso dos últimos tempos.

Kasai Masai

Depois da força e da magia do ngoni, foi a vez da guitarra, do baixo e do saxofone acompanharem a percussão africana no concerto dos congoleses, radicados em Londres, Kasai Masai. Desde logo se pode dizer que Nickens Nkoso, o frontman da banda, é um entertainer, mas isso, no caso, não é uma virtude. A sua constante interacção com o público e o seu excesso de protagonismo assentes em incentivos do tipo”Say yeah” e outros do género, os seus ensinamentos de coreografias e as suas danças, fazem crer que a componente musical do projecto é monocórdica e pouco válida. Algo que não será de todo verdade, destacando-se alguns momentos rítmicos contagiantes (saídos também do djembé de Nickens) e uma presença interessante de travos de saxofone, a dar um toque afro-cubano que poderia ser mais explorado. No fundo, será possivelmente uma segunda linha da música africana, mas ainda assim bem melhor em disco (Congo de 2008) do que nos mostraram nesta sua pobre performance ao vivo.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s