“Não Exageremos”

“As cidades de Atenas e Salónica voltaram a ser palco de conflitos na noite de sábado para domingo, na Grécia. Depois de um dia mais calmo com manifestações pacíficas na capital grega, os conflitos entre grupos de jovens e a polícia voltaram a ter lugar no bairro estudantil de Exarchia na capital.

(…)

A contestação vai continuar na próxima semana. Uma comissão de estudantes do ensino secundário distribuiu folhetos a anunciar uma manifestação em Atenas na segunda-feira à frente da direcção da polícia, e outra na quinta-feira à frente do parlamento. 

Apesar da morte do jovem grego ter sido o gatilho para os distúrbios, por trás está um sentimento unânime de falta de perspectivas económicas e sociais que gerou um sentimento de rebelião na juventude grega…”

in Público

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a “Não Exageremos”

  1. Jose Maria Pimentel diz:

    Tres factos esquisitos (os dois ultimos, inter-relacionados):

    1. Nao se trata so de um bando de anarcas, ha um verdadeiro apoio (ou pelo menos condescendencia) por parte de grandes camadas da populacao.

    2. Nao ha, ate ao momento , – que eu saiba – nenhum representatante dos protestantes.

    3. Nao ha, ao contrario de revoltas passadas (lembremo-nos do Maio de 68, por exemplo) nenhum verdadeiro objectivo por tras dos protestos. Ha uma vontade de acabar com a situacao, mas nao se ve nenhuma proposta verdadeira para mudar. No fim disto tudo (que havera), nao se perspectiva uma verdadeira mudanca num determinado sentido. O governo caira (ou sera derrotado nas eleicoes, se ate la aguentar), mas tudo ficara, aparentemente, mais ou menos na mesma. Nao ha propostas!

  2. António P. Neto diz:

    RECORDAR ARON:

    A propósito do Maio de 68:

    “Investigações sociológicas das mais sérias trazem à luz um fenómeno geracional: os estudantes oriundos de famílias sem experiência de ensino superior, desorientados nesse meio novo (…) receiam não encontrar emprego depois de ter conseguido um diploma. Viviam na angústia e na solidão, uma condição precária. Eventualmente, juntavam-se a camaradas mais afortunados para gritar com eles: abaixo a sociedade de consumo.”

    ( Raymond Aron, 1983, Memórias, 2007 Guerra & Paz)

    Achado no Mar Salgado

  3. António P. Neto diz:

    Esqueci-me de referir que o título “linkava” para a mesma notícia que publiquei aqui…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s