Novamente, o Porto a brilhar…musicalmente

 

Pé Na Terra – Pé Na Terra

 

Depois dos conterrâneos Mu e Mandrágora, chegou a vez dos também portuenses Pé na Terra lançarem um óptimo album em 2008. Curiosamente, três albuns bem diferentes: enquanto os Mandrágora levam a tradição até ao jazz e ao rock progressivo e os Mu misturam culturas espalhadas um pouco por todo o Mundo, os Pé na Terra são quem mais próximos estão da música tradicional portuguesa, embora com um cunho muito pessoal.

Falemos já um pouco da sequência mais forte deste registo homónimo de estreia: ao 4º tema do disco surge, com “A Balada do Sino”, a primeira de duas versões de Zeca Afonso (a outra é “Maria Faia” que, apesar de ser um tema tradicional, foi claramente celebrizada pelo Zeca). Depois de um início extremamente lento e bonito, esta versão da “Balada do Sino” ganha nervo sensivelmente a meio, algo que se vai intensificando até ao seu final, terminando da melhor maneira com um excerto de um inflamado discurso do próprio Zeca Afonso de apelo à insurreição (que falta fazem, no mundo globalizado actual, as suas palavras de ordem, o seu sonho e a sua utopia). Essas palavras dão o mote para aquele que é um dos grandes temas que escutei nos últimos tempos: “Sentir”. “Sentir, ser diferente, mudar o som, crescer, explodir, voar, livre sem pensar”. São estas as palavras que percorrem de forma hipnótica todo o tema, acompanhadas por uma lindíssima melodia, onde se destaca esse instrumento para mim tão maravilhoso: a gaita-de-foles. Este tema mostra bem a importância dada pelos Pé na Terra às letras, à palavra, a uma certa estrutura poética que se espalha ao longo de todo o disco. Como tal, não é de estranhar que o album feche precisamente com o poema “Sete”, declamado por dois convidados dos Pé na Terra: Patrícia Miranda e Tiago Meireles (ele próprio autor do poema).

No entanto, nem só de faixas com voz vive este disco. Quase metade do album é instrumental, contendo temas bastante distintos uns dos outros, como se pode verificar escutando, por exemplo, “Valsa Verde”, “Salpicos” e “Passodoble de Vizela”. Esta diversidade só demonstra, em definitivo, que este primeiro longa duração dos Pé na Terra é um trabalho bastante eclético, recheado de ideias diferentes.

Enfim, através deste grande disco, a cidade invicta volta novamente a marcar pontos no panorama musical português de 2008.

 

P.S. Os Pé na Terra venceram a eliminatória nacional do Eurofolk 2008, que se realizou em Coimbra dia 7 de Julho. Como tal, vão representar Portugal na sua edição internacional, a realizar em Málaga no final do mês de Agosto

(publiquei esta crítica inicialmente em http://artesanatosonororuc.blogspot.com/)
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

6 respostas a Novamente, o Porto a brilhar…musicalmente

  1. Paulo Jorge Pereira diz:

    desde já refiro que só ouvi as musicas que estão no MYSPACE, mas pela amostra discordo que apresentem qualquer “cunho pessoal” á musica folclórica porque, para mim, não passam de novas “versões” de musica folclórica sem introduzirem nada de novo: podiam bem ser os grupos de folclore que eu ouvia qdo. tinha 15 anos (na terra da minha avó ou nos programas da antiga RTP) e que ainda se mantinham 25 anos depois. A musica popular folclorica não tem em portugal artistas que a tornem PRESENTE pois mantêm toda a construção, roupagem e linguagem que tinha há 20 anos, e se alteram uma destas caracteristicas é para a tornar musica ligeira ou mesmo pimba( excepção seja feita aos Gaiteiros de Lisboa e ao saudosos Sétima Legião).
    De referir também, que acho a voz da cantora perfeitamente banal e até com um timbre irritante e que as musicas até começam bem mas depois falta a qualidade para marcar a diferença e ainda mais qualquer tipo de genialidade

  2. João Torgal diz:

    Paulo, vamos lá aos motivos da discórdia:

    1. Apesar de pegarem na música tradicional, estão bem longe de se manterem demasiado próximos dessa mesma tradição (até porque, se o fizessem, se fossem demasiado puristas, o mais provável era eu não achar grande piada). O nervo ou a existência de instrumentos como a bateria ou o baixo não deixam margem para dúvidas.

    2. A voz dela pode ser banal, mas é banalmente envolvente. Uma vocalista não tem de ter uma voz peculiar e muito diferente do habitual para que nos cative. Nem toda a gente pode ser uma Bjork, uma Lisa Gerrard, uma Liz Fraser ou uma Joanna Newsom.. Há vozes vulgares absolutamente extraordinárias.

    3. Como resistir às palavras poéticas e à melodia emocional do “Sentir”???

    Só concordo contigo numa coisa: os Sétima Legião e os Gaiteiros são, de facto, do melhor que se fez na reconstrução e modernização da música tradicional. Mas há muito mais para além disso. Trata-se, muitas das vezes, de uma questão subjectiva de gosto pessoal admirar ou não outros projectos.

  3. Matusalem diz:

    Bolas, Pé na Terra não tem nada a haver com música folclórica……é musica tradicional com uma roupagem folk (aqui e ali rock como o final do tema “A Balada do Sino”) bastante personalizada e interessante.
    O timbre da vocalista não será dos melhores do mundo, Amálias não se encontram todos os dias nem Maria Callas, mas é bem melhor que quase todas as cantoras que actualmente interpretam musiquinhas de, e para, as telenovelas da TVI.
    E ao vivo, garanto caro Paulo, são bastante profissionais e puxam pelo público como se não houvesse amanhã e este, rende-se e salta e pula e canta com eles. Nem algumas bandas rock que para aí andam têm tanta aderência do público.
    Tive a oportunidade de num espaço de mês e meio vê-los 3 vezes, 2 em Coimbra, outra no Andanças e garanto-lhe, caro colega blogueiro, que das 3 vezes que os vi gostei bastante, quer pela simpatia, quer pela alegria que transmitem ao cantar. Uma das vezes que os vi foi na FNAC e as pessoas que lá estavam eram praí 30 (nem sei se chegavam) e eles tocaram uma hora e foi tão intenso como se estivessem no estádio de Alvalade a tocar para 50 mil pessoas. Artistas destes têm o seu valor.
    E não, não os conheço nem sou amigo deles para estar a fazer publicidade grátis. Eles são do Porto, eu sou de Coimbra. Apenas merecem. 🙂

  4. Obrigado a todos por este dialogo sobre a banda. A todos (especialmente ao Paulo) convido para virem ver um concertozinho que vos convier!
    Pode ser que aqui o nosso amigo Paulo mude de opinião (ou não)! hehehe =)
    Abraço a todos e mais uma vez muito obrigado por este espaço!

  5. António P. Neto diz:

    Não precisas de convidar, Tiago, vou com todo o prazer e de livre e espontânea vontade. Há muito tempo que não assistia a um concerto como o que deram no “Andanças”, em que era tão evidente um espírito de comunhão entre a banda e o público!

    Conheço pouco do vosso trabalho, mas a minha opinião inclina-se mais para a do Matusalem. Se bem que me parece pouco importante que se preocupem com a catalogação: acho que devem tocar o que vos der prazer, a vocês e aos que acompanham o trabalho da banda. Como toco em 2 grupos de música tradicional, sinto que estas barreiras de género são bastante castradoras. Tecnicamente, apesar de não ser ninguém para o avaliar, penso que é claro que estão no bom caminho. Nisto tenho de discordar em absoluto do Paulo Jorge Pereira, já que os grupos de que fala nem sequer têm, geralmente, o cuidado de afinar os instrumentos. E isto é a ponta do iceberg.

    Só um reparo: adesão, Matusalem, não “aderência”!

  6. Matusalem diz:

    Tens razão, António! Estava a ser um pouco egocêntrico porque a primeira vez que os vi ao vivo colei no som deles! E acredito que muitos mais terão igualmente colado por esse país fora, depois de os ver ao vivo, eheheheheeh. Se Málaga fosse aqui ao lado lá estaria eu para fazer claque! E acredito que eles têm pernas para andar e seguir caminho rumo ao estrangeiro para espectáculos, tal como os Dazkarieh. Qualidade musical não lhes falta!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s